Magramática +
Bruna Lima, Paulista, amante da natureza, literatura, boa arte, boa comida, e é tudo reciproco... Um cão, muitos gatos, um noivo, um filho e uma claustrofobia
counter free
1 2 3 4 5
Sentir ciúmes é humano, querer arrastar a cara da pessoa no asfalto cheio de caco de vidro sou eu.
Ela não precisa usar vestido mostrando a bunda, sentar no colo da galera, tão pouco ser burra. Cuidado! Há vadias muito bem disfarçadas.”

Bruna Lima

motherislove asked: Seguindo aqui, lindo seu tumblr! *-*

Obrigada *.*

Reynaldo Gianecchini

… Às vezes eu escrevo em transe, nada de espiritual por favor, é mente, coisa do subconsciente ou alter ego. Apenas uma habilidade que eu desenvolvi quando criança, uma espécie de fuga ou algo do tipo. Não sei explicar, somente Freud saberia.
Tem gente que diz que é coisa de maluca, tem os que dizem que é coisa do diabo e eu digo que é coisa de artista.
Falaram-me que acham que eu escrevo/descrevo/declaro de mais o meu Amor por um certo homem, um tal de Vinicius, falaram-me que acham que eu Amo demasiadamente esse individuo (charmoso), e eu acho que as pessoas acham coisas de mais.
Mas vez ou outra da até um certo medo, porque no fim se pensa por ai, que sou uma maluca energúmena “dramalhona”…
Mas o medo é transitório , porque eu…
Bem, eu sempre penso diferente do que se pensa por ai.”

Sabe, eu tenho milhares de motivos pra te Amar, são muitos mesmo. Eu posso dizer que te Amo, porque você me Ama e cuida de mim, porque me deu um filho lindo e é um ótimo papai. Posso dizer que te Amo porque você é de longe a pessoa mais inteligente que eu conheço, que é determinado, guerreiro… Posso dizer que te Amo, por você, assim como eu, amar os animais, por me entender, por me respeitar e por fazer o melhor sexo do mundo… Eu posso dizer realmente milhares de coisas… Mas tudo se resume a Amar seu caráter e  sua essência. 

Oi, sou um filhote polar

De almas sinceras a união sincera, Nada há que impeça: o amor só é amor, Se não dobra a obstáculos E nem se curva a vicissitudes,Amor é um marco eterno, dominante, Que encara a tempestade sem nunca se abalar;É astro que norteia a vela errante,Cujo valor se ignora, lá na altura. Amor não teme o tempo, muito embora, Seu alfanje não poupe a mocidade; Amor não se transforma de hora em hora, Antes se afirma para a eternidade. Se isso é falso, e que é falso alguém provou, Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

- Shakespeare

Eu tentaria escrever sobre qualquer coisa, mas sem sucesso, hoje, somente hoje, estou destinada ao fracasso, limitando a minha escrita, castigada pelo tempo, pela vivencia, foi-se assim, se enferrujando. A arte dando espaço a racionalidade, e deus, eu não sei ser poeta se não for com o coração. Estou num estado de auto-piedade, e que troço fácil de se sentir, quando você percebe já esta sendo auto-piedoso, e que sentimento pobre não?!! Sim, sim, hoje sou isso, a mais pobre e oprimida das facetas da Terra. “E quem irá me defender?” Ninguém, pois direi a mim mesma que ninguém me ama. Há no mundo somente uma frase que me defina por completo, ” Sou um lorde expressivo ou um monstro no abismo do silêncio, jamais o meio termo.” é de minha autoria, na verdade do lado lorde. Sou assim, bipolar na escrita, vezes as palavras me surgem tão rápidas na mente que mesmo com a velocidade alta do tec tec do teclado, eu nunca consigo transcrever tudo que pensei. Vezes, há som de grilos cantando lá dentro. E vivo assim, a mercê se ser, de não ser, de nem se quer saber, quando posso ou não escrever.”

Às vezes, eu queria dizer a mim mesma toda a verdade sobre nós. Deixar a parte poética de se amar há anos um pouco de lado, não só citar a ansiedade para nos casarmos. Hoje como eu queria dizer o quanto seus defeitos às vezes me afetam e me sufocam. E como eu odeio o fato de você sempre fazer eu me sentir errada, culpada e dramática. Isso é tão egoísta. Bem, mas que diferença faz? No fim a situação vai se reverter e eu serei mais egoísta que você.

Odeio a sua ironia e o seu deboche, como quando nós brigamos e você…

Aposto que está fazendo isso agora, repetindo: ” É, eu sou mesmo um monstro.”

Odeio quando não entende nada do que eu quero dizer e me faz chorar e falar de um jeito doce o que eu deveria estar “gritando”, odeio quando tenho que me desculpar mesmo quando estou certa. Porque mais do que isso, eu odeio brigar com você. Mas a sua indiferença as minhas críticas me fere como espadas afiadas.

Esse seu FODA-SE sempre estampado na testa é uma arma de tortura.

… Mas o “jogo” muda se lhe interessa falar, e de repente o foda-se sai da sua testa, dando espaço para as rugas de indignação e insatisfação que só se desmancham se suas palavras me destruírem. E não importa o quanto eu repita “Não precisa falar assim” , você fala, e só para quando eu estiver no chão sem qualquer chance de defesa. Somos adversários nesse tempo, que se repete com certa frequência. E você é imbatível nessa arte querido. Você não tem piedade de mim, mesmo eu sendo tão bajuladora. Caus, o que houve comigo e com minha força? Minha força se tornou você e eu me tornei fraca, e a minha fraqueza emocional é seu ponto forte.

( Sim, talvez você seja um monstro. Mas só às vezes)

Na outra parte do tempo você é incrível, e há tantas declarações a respeito deste teu lado que eu nem preciso descrever nada disso aqui. Não agora, não hoje, talvez nem mais.

Eu só queria que a pessoa que me ensinou a resolver os problemas com parcialidade, diplomacia, calmaria e etc. Fizesse o mesmo. E o mesmo é diferente de “Não se importar” quando eu falo. E me destruir quando chega a sua vez de falar.

Eu sei, que tempos longos de paz, talvez não exista, e sei que nossas brigas não duram o tempo de uma guerra, que acabamos com beijos, abraços e o seu corpo sobre mim. Mas estou cheia de o braço torcido da vez, sempre ser o meu.

Odeio circo. Aliás, odeio tudo que me encanta e depois vai embora.”
Caio Fernando Abreu (via ateismoepoesias)